terça-feira, 13 de abril de 2010

Quem arrisca não petisca

Sei lá eu se alguém já ouviu esse termo, mas cresci ouvindo isso.
Passados esses dias todos em que estou a maior parte do tempo sozinho, me veio uma idéia. Nada mais do que um mero produto da mente quando se está passando por alguma necessidade (instinto básico de sobrevivência). Como sou um humano, tenho minhas necessidades como um tal, entre elas estão; comer, beber, sair, ter relações com o sexo oposto e principalmente se relacionar e conversar. Sou um cara que passou muito tempo duvidando muito das pessoas assim que chegavam para conversar, e me isolava um pouco e passava a estudar as intenções delas comigo (coisa de doido, eu sei), e mesmo dificultando as coisas para o meu lado, eu não sentia a pressão pois sempre tive com quem conversar a tarde toda, minha irmã e minha mãe bastavam pra mim. Porém como tudo mudou, passei até mesmo a dar bola para o papo de idosos no ponto de ônibus. Tenho evitado fones de ouvido para poder ouvir quem quer um pouco de minha atenção, e recentemente tenho procurado fazer amizades (um grande passo). E minha mais nova diversão, se assim posso chamar, é dar "oi" para estranhos. Isso mesmo, pensei que não tenho nada a perder dar aquele velho sorrisão acompanhado de um "oi" simpático, se a pessoa não quer nada, ela irá me ignorar, ou pode passar pela cabeça dessa pessoa algo do tipo: "Se eu o conheço, não estou me lembrando agora." e me corresponde mesmo assim. Caso exista um interesse maior em manter a suposta amizade comigo, a pessoa irá puxar assunto. :D
Quem gostou levanta a mão!!! o/

Obrigado

Nenhum comentário:

Postar um comentário