segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Escrevo para me distrair

Duas semanas ...
Bom, estou em minha cidade natal. E esses dias eu me dei conta de que foi o menor intervalo de tempo que eu fiz de uma visita pra outra. E é o maior tempo já passado não envolvendo férias. Tudo bem que eu nasci nessa cidade, mas se morei 2 anos foi muito, e não lembro.
Antes, em minhas visitas à cidade, era só para me encontrar com parentes, então ficávamos todos na casa de minha vó, sempre teve bagunça de família, e aquilo me bastava. Pessoas fora da família... não conhecia nenhuma.
Já a minha irmã, está morando a 8 meses na cidade, fez muitas amizades, inclusive, mais amizades do que ela já teve em 3 anos em Aracaju, rsrs (TENSO)
Durante esses dias de minha visita, já conheci algumas pessoas. Tá, conhecer MESMO MESMO, de bater papo e tal, só as amigas de minha irmã. No início eu me sentia meio desconfortável, em ser o único homem no meio de um monte de mulher. Desconfortável, no sentido de ter tanta gente ao meu redor, que já tem um nível de afinidade bem avançado, e eu sem saber como poder ser agradável. Mas pra minha sorte, todas elas são bem simpáticas, sabem conversar, e são engraçadas. Então, acho que não tem ninguém que se sentiria deslocado perto de pessoas como essas.
Me matriculei numa academia semana passada. Era uma das salvações para alguns minutos de meu dia entediado. E já tinha em mente voltar a fazer mesmo. Falar nisso, me fez lembrar que a primeira vez que entrei numa academia, foi por indicações de um médico. Eu tinha meus 14 anos e era extremamente magro. Eu comia a mesma quantidade que meu pai, e às vezes até mais, e não engordava nem 1kg. A solução foi passar o trabalho de engordar o Paulo Henrique, para os músculos. Foi uma época não muito boa para minha personalidade, porque eu estava no 1º ano, só fazia estudar e malhar. Fiquei igual aqueles tipos de moleques, que eu detesto hoje em dia, que só sabia falar de academia. Tudo era; eu pego tantos quilos, eu faço tal exercício... Argh. Odeio me lembrar que já fui assim. E não era aquela coisa de; “sou o fortão e posso ficar com um monte de garotas”. Eu nunca fui desse tipo de gente da “pegação”. Eu gostava mesmo, era do título de “fortão cdf”. Gostava de ver os caras do fundão serem inconformados comigo, por ter mais atenção de mulheres do que eles , e eu ter as melhores notas da sala. Mal sabiam eles, que eu não fazia mais nada da vida, além de malhar e estudar. Um ano de academia pra mim, foi o suficiente para ficar satisfeito. Depois eu só quis continuar porque, academia realmente me proporciona um bem estar muito agradável. Eu fico bem humorado, e acredite, melhora os meus desempenhos com estudos (também já provado cientificamente). Um belo dia, eu estava na academia apenas cumprindo protocolo, e me dei conta do que eu estava fazendo de minha vida. As pessoas ao meu redor, não eram nada interessantes. Tinha gente de todas as idades, mas com aquela mentalidade que eu tive aos meus 14 anos, até os mais velhos. Eu fiquei inconformado com aquilo... de estar em um ambiente o qual eu não via pessoas interessantes para poder conversar. Decidi que não era aquilo que eu queria e que poderia investir o dinheiro da mensalidade em algo produtivo pra mim. Sai da academia, e fui fazer um curso :D
Depois desse curso, eu não fiz mais nada. Apenas continuei a vida normal de um estudante básico (sem outras atividades fora da escola).
Concluindo, voltei à academia, pra me sentir bem, pra ocupar meu tempo, pra tentar conhecer gente nova, e pra recuperar quase 10 quilos que eu perdi quando peguei dengue (velha história).

Bom... é isso

Obrigado pela paciência ^^


Não dá pra fingir que não aconteceu nada. Tudo que eu queria, era poder ver essa série de acontecimentos, com outros olhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário