domingo, 27 de fevereiro de 2011

Televisões novas, muito mais do que estética.

Tudo começou no meu interesse pelas novas televisões. No início era só um luxo qualquer – “Pra quê uma televisão nova se a nossa ainda funciona né?” – E agora já é questão de território. Digamos que antigamente projetava-se uma planta para apartamentos de classe média. Na sala, contava-se espaço para no máximo 2 sofás, estante e televisão. E esses dois ultimos tomavam muito espaço comparado aos dias atuais. E hoje em dia, é a mesma coisa para apartamentos da mesma classe social, porém os arquitetos deduzem que todo mundo que comprar aquele apartamento, também tem condições de estar atualizado em termos de mobília… então por estética e menor custo, eles tiram aqueles singelos 60 centímetros que a televisão convencional ocupa(diga-se de passagem, um trambolho pesado pra ####), e apenas calculam a distância de conforto recomendada para a nossa visão até a parede, somando de 3 à 15 centímetros ocupados pelas televisões hoje em dia. Mas e agora!? Tantas TV’s, tantos recursos e opções… como saber o que realmente pode ser útil?

Comparei as características das televisões, e por questão de visão, eu exclui a hipótese de comprar televisões com recurso 3D. Simplesmente porque é modinha. 3D! 3D! mimimi, que legal… mas não é legal para o nosso bolso. Primeiro que vai demorar muito para mídias em 3D serem comuns, e segundo é que mesmo que daqui 20 anos a gente possa assistir o William Bonner e Fatima Bernardes em 3D, vamos precisar dos óculos especiais, e que consequentemente com o uso frequente, pode causar dores de cabeça. Ou seja… é melhor deixar o 3D pro cinema mesmo.

LED vale a pena? Vale! Primeiro porque é mais econômico, segundo porque tem uma melhor definição de imagens, terceiro porque é 1/3 da espessura da TV de LCD, e quarto porque a LCD já está ultrapassada por ela. E imagine o que pode deixar a LED ser ultrapassada? Só as telas flexíveis mesmo!

Taxa de atualização… 120Hz SEM DÚVIDA! Isso significa que a tela atualiza 120 vezes por segundo… A imagem flui muito melhor pela tela e é mais confortável para a vista.

FULL HD 1080p, é  que há em termos de qualidade de imagem. O blu-ray está aí, ficando mais barato que o DVD e substituindo aos poucos… e para usufruir de seus 1080 pixels, só com filmes em blu-ray, e pelo amor de Deus, usando uma saída HDMI (que já vem nas televisões full hd).

A saída HDMI, de preferência com no mínimo 3 saídas. É a melhor em termos de transmição de audio e vídeo. Antes era RCA, aquela dos cabos amarelo, vermelho e branco. Agora é um único cabo.

Conversor digital integrado, para não precisar de antena para captar o sinal digital.

DTVi, é uma frescura legalzinha. Essa opção só serve para você poder entreter com os programas diretamente pela televisão. É basicamente pra participar de enquetes feitas ao vivo.

DLNA (Digital Living Network Alliance)… a coisa mais legal já inventada em termos de unificação. Resumindo, você pode conectar a televisão com o seu computador, e acessar fotos, vídeos, músicas, por ela, tudo sem fio!!! Mas nem tudo está adaptado para esse sistema ainda. Se eu conseguir um manual, prometo que coloco aqui como funciona.

É isso, espero ter sido útil.

Obrigado

Nenhum comentário:

Postar um comentário