sábado, 16 de julho de 2011

Amigos distantes

Tenho muitos amigos distantes. Mas amigos AMIGOS mesmo, são poucos.

Uma coisa muito chata que acontece com a amizade distante, é que querendo ou não, a intensidade dela muda com a ausência dos amigos.

Eu passei 10 anos sem ver um dos meus melhores amigos, e quando nos encontramos, a afinidade e o nível de brincadeiras não mudou em nada, mas as conversas não foram intensas como costumavam ser. Tudo bem que tínhamos apenas 9 anos quando nos distanciamos, mas dá pra perceber a diferença.

Depois dele, eu fiz outras grandes amizades, que já estou 4 anos sem ver. Essas grandes amizadess a que me refiro, são aquelas que a gente passava o dia inteiro juntos. Os laços de amizades eram muito fortes. Só nos separávamos para ir pra casa dormir. Era uma galerinha, morávamos na mesma rua, não tínhamos muitas preocupações, e após a escola, todos ficavam juntos até anoitecer e dar a hora de ir pra casa. A rua era o único quarteirão entre uma avenida e a praia, então íamos facilmente fazer algo na orla. Todos se juntavam de tarde em baixo de alguma sombra de árvore, ou nos bancos do condomínio. Nessas, ia muita conversa, jogos de tabuleiro, brincadeiras, brigas (que sempre se acertavam alguns minutos depois), etc. Era o tipo de amizade, pra ninguém colocar defeito, e  que parecia que jamais iria mudar. Com o tempo, coisas foram acontecendo na vida de cada um, problemas pessoais, mais responsabilidades, mudanças… e isso foi atrapalhando a frequência da presença de todos. Aconteceu inclusive, uma das coisas que eu mais temo acontecer quando eu tenho uma amizade muito forte com alguma mulher. Apaixonar-se. Era uma menina da turminha. E fiquei com esse segredo por muito tempo, e ao mesmo tempo a coisa ficava mais intensa. Mas era uma amizade tão saudável, tão inocente… e eu era tão bobão pra essas coisas, rsrs, que eu ficava feliz só de sentar do lado dela e sentir meu braço tocar no dela. Até que aconteceu o que eu não esperava… a turminha se organizou e tentou nos juntar (coisa que eu odiava que fizesse). Eu cheguei na rua, e já estavam se movimentando para que tal fato acontecesse, só aí eu soube que todos percebiam algo entre nós. Como a merda já estava feita, eu esperei pra ver no que ia dar. No fim das contas, ela me decepcionou. Não pela resposta, nem pela timidez dela (tão forte quanto a minha na época), mas pela atitude imatura dela. Não sei o que ela queria, ou o que ela respondeu naquele dia. Ela só não quis mais falar comigo por um tempo. Conclusão… não sei o que falaram pra ela, não sei o que ela respondeu e não sei o que ela ficou pensando ao meu respeito. Talvez ela estivesse esperando acontecer, assim como eu também estava. Sei que o pessoal estragou nossa amizade, e eu fiquei muito puto com eles. Hoje, eu troco algumas palavras com ela 1 vez a cada 4 meses praticamente :/ E de todos os outros, só mantive amizade com o que era mais amigo de todos. Tenho muitas saudades dele e dos pais dele, são ótimas pessoas.

Foi uma fase muito bonita de minha vida, que eu choro só de ficar lembrando.

Após esses, eu me mudei, e fiz outras amizades maravilhosas, que já estou 1 ano sem ver. E quase aconteceu a mesma coisa com uma amiga, mas que eu consegui inverter a situação e somos grandes amigos ainda, mas nos falamos pouco. E teve outra, que foi a paixão e o laço de amizade mais forte em tão pouco tempo que eu já tive. Também achei que nada poderia mudar aquilo… e no fim das contas, a vida me quebrou as pernas novamente. Hoje, a consideração que eu tenho por ela e pela família dela, é a mesma. Por mais que a gente se fale pouco, eu ainda acompanho ela da forma que eu posso. E sei que ela sabe que pode contar comigo. Por enquanto só tenho as minhas palavras a oferecer, mas acredito que palavras têm muito poder.

 

Aprendi muito com todas essas pessoas, e com essas experiências. Adquiri um certo tipo de frieza, mas em contrapartida aprendi a ver de outra forma as oportunidades.

 

Obrigado

Nenhum comentário:

Postar um comentário