segunda-feira, 18 de julho de 2011

Woolly Bully, eu dançando, e eu me contradizendo.

Acontecer algo legal em um dia já é bom, mas acontecer muitas coisas legais… é demais!

Recém chegado em Jundiaí, eu levei um tempo para fazer amigos. E ontem, foi a minha primeira saída com amigos desde que eu passei a morar em Jundiaí :D  putz… foram praticamente 7 meses só saindo com familiares.

Fui em um bar chamado Woolly Bully com os amigos do trabalho. O lugar é sensacional. É um bar temático dos anos 50 e 60. E a combinação de amigos, bar no estilo clássico americano, músicas antigas, pessoal simpático, danças antigas e o clima perfeito, foi a melhor saída em grupo que eu já fiz. Nossa, não sei explicar a sensação boa que eu sentia naquele ambiente.

O grupo não era tão grande. Ao todo 4 pessoas, rsrs. Mas foi muita conversa e risada do início ao fim. Foi um amigo meu e a namorada dele, e um outro amigo meu, que nos consideramos praticamente separados no parto, kkkkkkkkkkkk. Dizemos isso, pela quantidade de coisas em comum. E pra finalizar, ele se chama Henrique Paulo! É até engraçado a reação das pessoas quando ficam sabendo.

A nossa mesa, totalmente nerd. Tirando fotos, colocando direto no facebook, e na mesma hora, os outros da mesa já entravam na foto e comentavam, kkkkkkkkkkkkk. Sem contar que eu e o Henrique, ficávamos só se lamentando por não saber dançar. Porque além da dança ser muito legal, estava cheio de mulher bonita sozinha. Então a gente só ficava elaborando prováveis diálogos com elas, e rindo das próprias besteiras. Mas teve uma em especial que chamou minha atenção. Eu compartilhei a visão com o Henrique, e então fizemos o acordo de só voltar naquele lugar quando eu soubesse dançar alguma coisa, pra poder chamar ela pra dançar, rsrs. Eu só ficava olhando, não sabia se olhava pra aprender a dançar, ou só para admirar mesmo. Então, em um momento, muitas pessoas se levantaram e fizeram uma roda para ver os outros dançando, e nesse momento a gente chegou perto de umas meninas, e quando eu percebi… ela estava ali bem perto de mim, e me viu olhando pra ela. Pra quê!? - Sabe quando eu achava que minha timidez estava bem controlada? Nada disso… ainda sou um bobão quando acontece isso comigo - Continuando… Eu pensei “Ela vai se direcionar a mim de alguma forma” e disse para o Henrique : – “Mano, vou me sentar.” E fomos nos sentar. Quando a gente se sentou, eu me arrependi de ter “fugido” (vai entender). Passou um tempinho, eu a vi olhando para a nossa mesa, e já comentei com o Henrique : – “ Cara! ela olhou pra cá e comentou algo com a amiga dela, fique vendo, vai acontecer algo”. E não é que ela nos perguntou se a gente queria aprender a dançar!? Mas não pensamos nem duas vezes! O Henrique praticamente me atropelou pra ir primeiro, kkkkkkkkkkkkkk. Quando chegou a minha vez, eu estava muito nervoso. Primeiro porque eu nunca dancei. Segundo, porque nunca aconteceu isso comigo, de admirar uma mulher a festa inteira, e depois ainda ter um contato tão próximo com ela. O fato interessante é que: Assim que ela começou a me ensinar, eu perdi a vergonha. Acho que pela naturalidade com que ela tratava a situação, me deixou mais tranquilo. Apesar de quase derrubar ela em um passo – imagine… eu nunca dancei, e do nada, eu aprendo uns passos, e já estou girando a menina, e depois ainda me inclinei de lado segurando a cintura dela com a minha! – Foi uma experiência sensacional pra mim! 

Depois trocamos uma conversa rápida sobre aprender a dançar, nomes, etc…

Domingão? Acordei super disposto! Vi o lembrete no celular, sobre adicionar elas nas redes sociais e….. epa! Me peguei no flagra! Eu havia acabado de me contradizer à respeito de meus critérios para adicionar pessoas nas redes. O que aconteceu?

Bem… dizia eu, que não adiciono ninguém que eu não conheço (isso ainda é verdade), mesmo que seja a mulher mais linda que for, eu não aceito. Mas o ponto que eu me peguei, foi no caso de quando eu conheço pouco a pessoa. Eu só adiciono, depois que eu conheço melhor. Só que hoje, eu mesmo já fui adicionando! E não é nem questão de segundas intenções. Eu descobri, que esse meu critério é na verdade o nível de conforto que eu tenho com as pessoas. Por exemplo: Gurias que me perseguem, ou que se interessaram por mim, sem nem ao menos conversar, eu não me sinto confortável e realmente não adiciono até melhorar a amizade. Mas no caso dessa outra, foi um contato muito espontâneo, que fez com que eu me sentisse mais à vontade logo de primeira. Então acho que é isso.

Segue um vídeo, que são vários vídeos emendados que eu fiz com o celular. Tentei melhorar o máximo que pude.

Obrigado

Um comentário:

  1. Houve uma época em que eu adorava esse tipo de programa, mas não sei lidar com várias pessoas ao mesmo tempo, sou anti-social e me sinto desconfortável. Sempre prefiro ir nesse tipo de lugar com apenas um amigo ou dois no máximo, assim não me sinto obrigado a tentar agradar a todos.

    ResponderExcluir