segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

A cama

 

“Se eu sobesse que essa cama era tão boa, eu teria ido deitar bem mais cedo.”

Foi o que eu disse à minha irmã onde estávamos hospedados.

A minha teoria:

Aquela era a melhor cama do hotel. E não, não eram todas iguais. Talvez para quem comprou sejam todas iguais, mas ele não experimentou todas, pois aquela, aquela era a melhor.

A cama, bem… a madeira dela veio do mesmo lote de todas as outras do mesmo modelo. Porém, aquele pedaço de madeira específico, que deu origem às peças da cama, foi cautelosamente manuseado pela natureza.

No aglomerado de toras, ele obteve um lugar privilegiado na sombra proveniente de uma árvore gigante o suficiente para captar os ventos com os ares mais puros que se passam lá em cima, e com a forma de seu tronco, deslocava esse ar até sua base, que ao se espalhar, acabava tocando o pedaço de madeira em questão. Quando chovia, as demais toras, exerciam a função de uma poderosa barreira, tomando toda a chuva grossa, e permitindo apenas que os leves respingos tocassem esse pedaço.

No dia do corte, houve um problema com alguns funcionários da fábrica, e rapidamente foram recrutadas pessoas para substituirem. Porém por apenas o tempo necessário até que os funcionários chegassem. Foi o tempo exato para que somente esse pedaço, passasse pelas mãos de mulheres que cresceram trabalhando com a lapidação de pedras preciosas, às quais exigem o maior grau de delicadeza e leveza possível.

 

Já o colchão, sua espuma certamente não era uma espuma como todas as outras.

Bem… era o primeiro dia de Pandora na empresa. Estava muito feliz, pois havia acabado de sair de um emprego de lapidação de jóias, com uma falsa promessa de carreira promissora em uma fábrica de móveis, porém foi uma farsa, e havia largado um bom emprego para durar menos de 1 hora em outro. Ficou desempregada, e logo foi chamada para essa fábrica de colchões.

E dedicou todo seu ânimo e empolgação naquele dia, naquela esteira da qualidade, e achou que deveria seguir à risca seus critérios para escolher coisas boas. Naquele dia, apesar de espantada, achou que sua decisão era a certa, e reprovou uma quantidade enorme de espuma, deixando passar apenas uma quantidade suficiente para apenas a confecção de um colchão. Seu chefe não lhe repreendeu, mas a fez diminuir suas exigências na qualidade para não terem tantos desperdicios.

Então o destino reuniu em um lugar ideal, em um dia ideal, com pressão atmosférica ideal, e umidade relativa do ar ideal, e proporcionou a montagem daquela cama.

A cama.

 

PS: Na mitologia grega, Pandora: "a que possui todos os dons", ou "a que é o dom de todos os deuses"

 

Obrigado pela paciência ^^

Nenhum comentário:

Postar um comentário