quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Política não é comigo, mas vou explicar o que eu acho.

É sempre assim, chega ano de eleições, começam a aumentar as discussões sobre política, e quanto mais próximo da grande data, mais “experts” na área vão aparecendo. E aí tem de tudo! Tem gente que cresceu ouvindo os pais reclamarem de tal partido, colocando a culpa dos problemas particulares em algum partido, e essa pessoa que cresce ouvindo isso, obviamente estará cheia de argumentos para ser contra tal partido. E há os que cresceram ouvindo que são sortudos por terem partido “x” no governo, pois se não fosse ele não teriam as facilidades que têm. E cresce também cheio de argumentos sobre o porque escolher aquele partido. E assim começam as discussões. Os favorecidos versus os desfavorecidos.
Todo mundo tentando mudar a opinião alheia em um curtíssimo prazo de tempo. E claro, sempre que você deixa alguma “atividade” para a última hora, você fica muito mais estressado e apressado para terminar aquilo a tempo. É exatamente o que acontece quando as pessoas tentam mudar a opinião de alguém em tão pouco tempo, se torna uma discussão mais agressiva do que deveria ser. Política se discute sim, mas de forma maneirada, e a longo prazo.

No meu ponto de vista sempre teve algo errado. SEMPRE.

Governo bom mesmo, é aquele que atende a todos. Enquanto houver favorecidos e desfavorecidos, significa que ainda não temos um governo que preste.

No Brasil, o brasileiro vota pra ter uma vida boa. Em países desenvolvidos, as pessoas votam por propostas que vão melhorar o país como um todo.

Aí são feitas as eleições, e alguém ganha com um diferencial grotesco para o segundo colocado. Eu sempre gostei de coisas lógicas… Então mesmo não compreendendo nada sobre política nem me aprofundando na área, eu tenho os dados. Se eu fosse um extrangeiro votando pela primeira vez aqui, eu seguiria a lógica. Então não tem algo errado em reclamar da vitória de um candidato que ganhou com tanta diferença para o segundo colocado? Porque teoricamente são mais cabeças pensando em quem votar. Fazendo uma analogia aqui, vamos supor que você tem uma atividade de cálculo para fazer, e você obteve uma resposta “x”. Porém de uma turma de 20 alunos, 15 obtiveram a resposta “y”, 3 responderam “z” e outros dois “x” também. Você se questionaria onde errou, não é mesmo? É o que eu acharia caso meu candidato não ganhasse.

Claro que política é muito mais que isso. Partindo pro lado econômico a coisa é bem mais complexa.

Não tenho partido, nem nada. Mas quero apenas deixar um artigo que a revista Veja (que por sinal eu não gosto) publicou da revista Forbes.

“A revista americana Forbes divulgou em seu site uma lista com cinco razões pelas quais acredita que os eleitores brasileiros não deveriam reeleger a presidente-candidata Dilma Rousseff (PT). Em texto que elenca os avanços econômicos e sociais no Brasil ao longo dos últimos vinte anos – transformações que tiveram início, lembra a revista, no governo de Fernando Henrique Cardozo –, a Forbes afirma: sob o comando de Dilma, o país passou da expansão para a melancolia.

Depois de elencar os avanços dos governo FHC e Lula, o texto ressalta a situação econômica do país, que vive um quadro de recessão técnica e inflação no teto da meta. “Os investidores de todo o mundo, que chegaram a fazer fila para comprar um pedaço do ‘sonho brasileiro’, olham agora para mercados mais atrativos, como o México (e celebram todas as vezes que Dilma perde pontos nas pesquisas eleitorais)”, diz o colunista Anderson Antunes. E encerra: Dilma não apenas falhou em manter tudo em ordem, como está colocando os avanços em risco.”
http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/forbes-lista-cinco-motivos-para-o-brasil-nao-reeleger-dilma
Artigo em inglês: http://www.forbes.com/sites/andersonantunes/2014/09/11/5-reasons-why-brazils-president-dilma-rousseff-should-not-be-reelected/

Depois, o PT defendeu a Dilma…

“Por isso, o PT (Partido dos Trabalhadores) decidiu "defender" sua candidata e afirmou que as razões apresentadas pela revista norte-americana não estão corretas. No Facebook, o partido justificou cada um dos motivos listados pela Forbes de forma bem sucinta e deu 5 motivos para que os eleitores votem em Dilma”
http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/153494/PT-rebate-Forbes-e-d%C3%A1-5-raz%C3%B5es-para-votar-em-Dilma.htm

Mas você, que é a favor de PT, PSDB, PV, Pseiláoquêmais, se coloca no lugar de alguém que não tem preferência, mas tem que votar. O que é a “voz” de um simples partido de um país, que fala o que quer na mídia, comparado à “voz” de uma revista conceituada internacionalmente, especializada em economia com os melhores jornalistas e economistas trabalhando pra eles?

Por isso eu não me meto. Política é um assunto muuuuuuuuuito complexo. A mídia é suja… eles falam bem e mal a favor de quem pagar mais. É assim que funcionam as coisas quando se tem muito dinheiro envolvido.

Espero não ter enfurecido ninguém nem nada, o artigo sobre a Dilma foi só para usar de exemplo quando citei o quanto saber analisar o lado econômico também é importante.

 

Obrigado

Nenhum comentário:

Postar um comentário