domingo, 22 de novembro de 2015

Perdido em pensamentos

 

Não sei bem como começar. Justamente… Literalmente perdido em pensamentos.

Posso tentar começar pela postagem anterior certo?

Ok…

Começando pela minha promoção lá. Era uma função muito fdp (sim, um palavrão no blog) que me deixava muito irritado tanto pela atividade em si, como também pela tamanha burrice feita por alguém de cargo tão alto na empresa (gerente de site). O cara que criou aquilo, e guess what… foi transferido de unidade. Pra ter noção da coisa, a minha situação era motivo de piada no setor. Me filmaram atendendo os rádios, me chamaram de Joseph Climber (Oi tudo bem como vai? Oi tudo bem como vai? Oi tudo bem como vai?) e claro, por eu não desistir tão fácil. Meu feito foi finalizar um dos vídeos dizendo no final “Isso não vai dar certo!”. E realmente não deu. Enfim… Minha vida no setor mudou da água para o vinho depois de 3 semanas nessa atividade que eu desejaria aos meus inimigos. Voltei a ter paz, tranquilidade, e poder eleborar minhas planilhas e delegar atividades para o pessoal de forma amigável. Depois os rádios foram retirados das mãos deles, e tudo ficou mais perfeito ainda.

Um tempo depois, eis que surge uma vaga para o setor de projetos na empresa. Eu não preenchia nenhum dos requisitos, porém, além de ser na matriz da empresaa, era de uma área que eu gostava e gostaria de fazer parte um dia. Como meu pai já me disse diversas vezes; “Quem não é visto, não aparece”.
Enviei meu currículo e semanas depois me ligaram. Eu já até pensava que a vaga tinha fechado e nem se quer me chamaram. Porém queriam me conhecer. A correria do dia vai fazer parte das minhas histórias futuramente. A entrevista foi marcada em Alphaville no escritório, às 14h. Eu não tenho carro, e para ir de ônibus eu teria que matar umas horas do trabalho para chegar a tempo lá. Pensei em alugar um carro na cidade que eu trabalhava para não perder tanto tempo… Saí por volta de meio-dia e fui na locadora. Pra variar, estava fechada. Depois fui na segunda locadora da cidade, e estava aberta, porém com problemas na documentação dos carros, sem poder alugá-los. De uma coisa eu estava certo, eu não ia perder essa entrevista por nada e estava disposto a qualquer coisa para ir. Olhei para um ponto de táxi, e torci para que aceitassem cartão. E sim, aceitavam cartão como também eu reconheci um dos taxistas! Ele trabalhou comigo um tempo na primeira empresa que trabalhei. Fazíamos uma ótima dupla. O cara desligou o taximetro, e fez a corrida quase pela metade do preço, basicamente o preço que eu pagaria no alguel do carro. Resumindo… cheguei, fiz a entrevista com o gerente e o diretor de projetos da empresa. Eu sabia que não ia passar… mas deixei todos que estavam sabendo da entrevista pensarem que eu esperava algo dela. Ela realmente foi boa. Me senti bem à-vontade com eles e desenrolar os assuntos. O problema foi administrar a torcida que eu tinha.
Acontece que eu acredito nessa coisa de energia de pessimismo e otimismo. Se eu tivesse falado que eu não tinha passado na entrevista, algumas pessoas só iriam julgar minha vida. Iam pensar coisas como a empresa não me dá valor, que estou perdendo tempo, que o problema deve ser eu, que eu talvez não trabalhe bem, etc etc etc.
E o desenrolar da coisa foi 3 dias depois, com um e-mail do RH me convidando para ir até uma das unidades da empresa em Jundiai para fazer uma entrevista para a área de qualidade em uma startup. Alguma coisa fez com que me achassem em Cajamar e tivessem interesse em mim.
Fui lá, fiz a entrevista, passei e fui chamado para a segunda etapa com a gerente de site (geral) no dia seguinte.
Fui nessa entrevista com ela, e foi extremamente boa! Boa tanto pela entrevista em si, como também eu soube que foram os dois caras de Alphaville, um deles o diretor da gerente que me entrevistou, que me indicaram para ela.
Umas semanas depois o RH dela me acionou e avisou que fui promovido e que dariam início às atividades da minha transferência.
Resumindo… Mais uma meta! Obrigado Deus!
 

Não fui promovido uma vez, mas duas vezes! E sem contar que mudei meu horário louco também. Agora entro às 8h :) Até alguns benefícios mudaram. Enfim, já comecei lá faz 20 dias, e tem sido muito enriquecedor.

Agora aqui começa a razão pela qual estou escrevendo.

A startup me deixa muito pilhado. Meu cérebro fica trabalhando 100% do expediente, absorvendo informação sem parar. No final do dia, não tive rendimento na faculdade, e senti a necessidade de trancar um dos módulos, adiei uma prova, e perdi um dia de aula. Nessas estou considerando trocar meu curso para sábado ano que vem.
Por causa de todas essas cobranças e eu exigir tanto de mim mesmo, estou em uma fase de procrastinação e crise existencial. Não consigo ser produtivo em casa a pelo menos duas semanas. Não consigo me focar em nada. Qualquer coisa que eu tiver na mão, é destruída. O déficit de atenção está pintando e bordando comigo nesses últimos dias, e não consigo me livrar. Preciso estudar e ao mesmo tempo descarregar essa ância por atividade no meu cérebro. E se eu for sair andar de bicicleta, eu perco tempo de estudar, mas se eu ficar eu não consigo me concentrar por muito tempo. Está terrível. Preciso desenvolver minhas atividades na empresa, preocupado com a falta de tempo para a faculdade, e já pensando no curso de engenharia que pretendo começar antes mesmo de finalizar a pós (sim, fazer os dois ao mesmo tempo). Parte da minha pós é pretexto para participar de concursos públicos com certa vantagem, e nessas já vem o comprometimento com estudos para concursos ano que em também.
Acho que não sei o que eu quero da vida. Quero só estar preparado para qualquer coisa que eu queira. Sem contar que quero comprar carro (necessidade), fazer academia para descarregar essa energia que me deixa inquieto, voltar com o inglês e começar francês! CÉÉÉÉÉuuuuusss! Preciso ganhar mais! Preciso trabalhar mais! Sem trabalho não tem dinheiro, sem dinheiro não tem nada disso.

Faz meses já que não visito Itapeva por conta do meu pai sair antes no meio da semana, e não ser vantajoso pra mim pagar 180 dilmas para passar 10 horas viajando e ainda voltar cansado de viagem para já começar a trabalhar no dia seguinte. Se Deus quiser logo tudo se ajeita. Só há uma coisa ainda que me impede de ser 100% feliz. Meu pai ainda está naquele relacionamento dele com a garota a qual meu sexto sentido me faz odiá-la sem nunca ter feito nada. Porém ela só tem dado motivos, e isso só me faz confiar mais ainda no meu sexto-sentido quanto a ela. Eu já conversei com o meu pai, abri o jogo para ele e agora falta falar com ela. Porque é assim que as coisas funcionam comigo. A propósito, já discuti com um chefe na empresa, que o meu sexto-sentido também já me fez não gostar dele. O último que fez isso, estava errado. Sou muito calmo, então se eu discutir algo com alguém, certamente eu sei que eu estou fazendo algo certo.

Faz um bom tempo que não vou a uma igreja, e até uns dias atrás sentia estar sendo chamado para fazer uma visita… Acho que inclusive acabei de me dar conta do que pode ser essa agitação.

Acho que por aqui está bom. Volto outro dia :)

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

But if you close your eyes…

4 meses se passaram… e nossa! Quanta coisa acontece em tão pouco tempo!

A faculdade me sugou demais. Não ponho a culpa de ter largado meus registros particulares por causa da faculdade. Afinal eu tive tempo sim, mas eu quis descansar. A um bom tempo eu venho pensando em uma oportunidade com folga para me dar disposição o suficiente. Dito e feito… estou em um tipo de férias da faculdade. É uma semana sem nada de aula e coisa pendente para estudar. Tudo o que tinha de prova para fazer, foi feito. Nessa semana começa uma nova matéria e aí consequentemente a correria toda novamente.

Eu me arrependo de não ter feito rascunhos de postagens que eu fui pensando ao longo desse tempo em que estive sumido. Agora não consigo me lembrar de tudo, e diria que “não vou postar tudo aqui” blablabla “outro dia posto” blablabla, já me conheço e sei que não vou nem lembrar de postar.

Vou tentar falar conforme eu for me lembrando.

Santos

Eu fui para Santos!!!!!! \o/ \o/
Foi uma viagem de puro relaxamento e descontração. A sensação foi muito mais do que eu esperava, pois me trouxe sensações que eu havia sentido quando fui a Toronto. É algo tão singular… Em toda a minha vida, eu sempre viajei para algum lugar com alguém já me esperando no ponto de chegada e me conduzindo pelos lugares. Isso só foi diferente pela primeira vez em Toronto. Não tinha ninguém me esperando, me virei no celular e pedindo informações. Da mesma forma eu me senti em Santos. Eu reservei um quarto em um hostel perto da praia, peguei um ônibus e enfiei a cara na estrada. Cheguei lá, e me senti em casa! Na verdade, era uma casa. E aí tinham os quartos comunitários (parte ruim), cozinha, sala, bar, gato, cachorro, tudo! Foi uma experiência bem interessante. Diferente do “hostel” que fui em Toronto, que tinha um kitnet só pra mim.
Enfim… fui para a praia, andei na orla, tirei foto, tomei um caldo-de-cana, e entrei em contato com uma amiga de Itapeva que mora lá. Saímos no dia seguinte, matei a saudade de andar de bicicleta na orla, tomei outro caldo-de-cana e fomos a uma pinacoteca famosa lá. Foi bem fora de rotina e deu uma relaxada na mente de uma forma incrível :D Estou doido para ir pra lá novamente.

Comecei a usar óculos!

Pois é… aquela sonolência exagerada nas leituras, as dores de cabeça frequentes, e uma descoberta de que um olho via as coisas de perto desfocadas, me fez procurar um oftalmo. Dito e feito. Miopia e hipermetropia.
Achei que seria só em casa para ler, mas preciso usar em qualquer instante de leitura, seja em papel, celular ou computador, eu tenho que usar. Na empresa mesmo, utilizo o dia inteiro. E quando passo muito tempo usando, e repentinamente tiro e dou uma andada, tenho a sensação de ser mais alto. rsrs é uma ilusão interessante.

FUI PROMOVIDO

Fui “promovido” daqueeeeeeeeele jeito que é bem a cara das coisas que acontecem comigo. Saí da operação – OBRIGADO DEUS – e fui para a sala administrativa. Agora sou Auxiliar Administrativo Junior. O que isso significa? Significa o primeiro passo para a área administrativa da empresa, e somente isso. Nada de salário diferente. Nada de nenhum upgrade na vida. Porra nenhuma. Mentira… estou mais envolvido com o sistema, que é muito bom para o meu curriculo. De certa forma estou ganhando algo a mais, que é o conhecimento.
E detalhe… o cargo antes ganhava quase o dobro do salário atual. Todo mundo era Sênior. Até que decidiram criar um jeito de enrolar a vida dos próximos promovidos, e fiz parte da primeira turma de Juniors, que faz exatamente as mesmas coisas que os sêniors, tem as mesmas resposabilidades, e tudo mais, pela metade do preço. Joinha pro céu.
E como foram os primeiros dias? Claro que não foi o trabalho fácil que todo adm tem… Criaram um trabalho, vejam só, exclusivamente para EU PH fazer! O trabalho mais trabalho de ***** daquele lugar. Às vezes quero socar o primeiro que chega do meu lado. Conseguiram tirar um bicho de dentro de mim que ninguém nunca havia conseguido. Mas é a vida. Um dia vai compensar.

 

Passei a ter 23 anos e 12 meses

Absolutamente nada de diferente.

 

terça-feira, 21 de abril de 2015

Desiludido bem decidido

“E os desiludidos já são tantos, que o amor verdadeiro não encontra abrigo. Os corações estão cheios das dores de amores imperfeitos.”

Não diria que estou desiludido, mas estou muito mais fechado e sem dar importância para isso. É, talvez seja desilusão.

Quem me conhece bem, pode se assustar com essa minha declaração. Até eu jamais pensei que um dia pensaria dessa forma, mas acontece que o amor é algo muito maior do que eu imaginava.
Já me apaixonei intensamente, a ponto de abrir mão de ir para a Austrália. Mas acredito que a vida nos apresenta as pessoas sempre com um propósito. Talvez essa garota tenha vindo para me segurar aqui no Brasil, pois caso eu tivesse viajado a história hoje seria totalmente diferente. E eu posso ter interpretado mal os sinais que a vida me deu. Hoje somos apenas amigos.

Mas voltando à minha linha de raciocínio…

Acho que finalmente entendi o porquê as pessoas têm aderido ao “curtir o momento”. Meus princípios eram tradicionais demais para a geração que estou vivendo. O mundo está mudando muito rápido, com muita informação a todo instante, e as mudanças nas nossas vidas têm sido muito repentinas.

Estabelecer um compromisso com alguém é luxo hoje em dia. Mas nós precisamos uns dos outros. Não que eu esteja concordando com esse pessoal que sai em uma noite, já ficam com alguém e que isso seja algo normal.
Ainda preservo meu lado de conhecer a menina antes, e até mesmo me tornar amigo, para só depois, caso se estabeleça uma química, tentar algo mais. É a resposabilidade que eu atribuía ao namoro. Pra mim, namorar é praticamente uma amizade, porém mais íntima, com mais afeto, etc.
Porém, descobri que para MUITOS, o namoro é pretexto para quem tem a intenção de casar um dia. E olha só, eu vivo fazendo planos a longo prazo, mas nunca até hoje planejei em me casar. Eu apenas achava legal a coisa do namoro por ser um relacionamento com alguém que eu goste muito e me sinta feliz, mas de longe que eu já pensaria de cara em casar com quem eu estiver namorando.

Tenho muitos planos pela frente ainda, que um casamento só iria atrapalhar tudo.

E eu até posso curtir essa coisa de namorar, mas quando as duas partes não se gostam por igual, se torna algo muito desgastante para uma delas. Então, namoro? Sem pressa ;)

Palavra de PH.

segunda-feira, 30 de março de 2015

melhoras

Já dei uma mudada, pra melhor.
As minhas aulas começaram dia 25, e a faculdade é realmente tudo o que eu esperava. Está até superando as minhas expectativas. Lá é aquele tipo de curso, que você paga um valor caro, mas tem TANTA coisa para usufruir, mas TANTA coisa! Eles tem um mundo de informações à disposição! É incrível! Não tem como reclamar que não achou determinado assunto no google, porque na biblioteca deles com certeza tem. A FGV está de parabéns mesmo! Sei que estou em ótimas mãos.

Estive refletindo muito esses dias a respeito disso. Estou muito ansioso por tudo o que pode vir a acontecer em minha vida profissional daqui pra frente. A maioria dos profissionais que estão lecionando lá, são formados em algum curso de lá. E são extremamente novos para o nível em que chegaram em suas carreiras.

Mas deixando as expectativas de lado, isso me faz lembrar da minha dedicação para outras coisas.
Minha rotina se resume a acordar 4:30, pegar 3 ônibus, trabalhar das 7 às 17, chegar morto em casa 6:20, e não ter mais ânimo pra nada. É estressante demais… e o pior, é que eu ainda vou dormir tarde. Peguei o gosto pela tv novamente… estou assistindo todo dia depois do trabalho. Acho que porque é uma forma de entretenimento que une distração e informação. É prático para meu cérebro. Estou sem saco pra ler. Sem saco pra computador, que a propósito, nas ultimas semanas só sentei na escrivaninha durante uns 30 minutos por dia. Sem saco pra celular e redes sociais. Estou meio estranho… Não sei se é coisa do cansaço ou se realmente enjoei dessas coisas. Gosto de conversar pela internet, e é a única utilidade que venho explorando do computador, e demais dispositivos.

Agora que terei uma visão melhor do que será o paradeiro da minha renda, vou estudar uma forma de continuar a fazer inglês. Tenho sentido muita falta de por em prática o que eu sei.
Fora que eu ainda gostaria de começar a aprender francês logo.
E por aí vai uma cadeia de planejamentos que tenho, como aprender francês, fazer MBA, fazer 1 mês da pós no exterior para conseguir dupla certificação, investir em um terreno, ir trabalhar no Canadá um tempo, voltar pro Brasil, etc…
Falando nisso, até lembrei que quero registrar aqui sobre minha futura casa. Deixarei isso para outra hora.

Obrigado pela paciência.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Sensação sem definição

Não tenho uma palavra para descrever o que venho sentindo ultimamente.
Há algo estranho comigo. Não sei se ainda está acontecendo, ou se já fui afetado definitivamente.
Tenho sentido falta de ânimo nos meus dias. Começou de fato na separação dos meus pais lá em agosto de 2013.
O que novamente foi uma época que me fez sofrer muitos choques de altos e baixos no psicológico. De um lado eu tive o apoio dos meus pais para eu poder realizar o meu sonho de ir para o Canada, e do outro lado a separação deles. Dali pra frente, eu comecei a sentir essa coisa estranha.
Eu venho sentindo falta do ânimo que eu esperava ter em alguns momentos. Me refiro àquele ânimo de quando eu era apenas um garoto de 16 anos imaginando a si mesmo quando realizasse o grande sonho.
Agora, sinto como se estivesse apenas cumprindo objetivos. Sinto muita frieza dentro de mim.

Nessa segunda-feira, 09 de março de 2015, eu passei a ser efetivamente aluno de pós-graduação da Fundação Getúlio Vargas.

Não posso dizer que me tornei frio ao me deparar comigo mesmo me emocionando ao escrever essa postagem. Há algo dentro de mim.

E como eu disse… aconteceu. Estou matriculado. A matrícula em alguma pós poderia ser fácil, mas nessa instituição de ensino foi algo muito importante pra mim. Quando eu era mais novo, era algo que eu imaginava que só alcançaria mais velho. E não. Aqui estou eu, ganhando um salário muito inferior ao que eu imaginava que estaria ganhando, porém vivenciando o que gosto, e podendo investir em mim dessa forma. Graças a Deus. Eu realmente me surpreendo cada vez mais com o que Deus me proporciona sendo um filho tão mal dedicado. Se bem que não sei se sou mal dedicado, ou se me cobro demais. Não gosto do ambiente da igreja como um todo, por causa das pessoas que estão lá, então faz tempo que não vou a uma. Mas levo comigo os aprendizados de comportamento da palavra Dele. Creio que seja isso.
Ele possibilitou que todos nós em casa tenhamos um emprego bom. E graças a isso, e ao meu pai, eu não tenho despesas fixas com moradia.
Não tenho vergonha disso. Gosto de dizer que eu amo a minha família a ponto de não me incomodar de viver junto, e que obviamente sou amado a ponto de meu pai não exigir que eu mude.

Como eu estava dizendo, acho que me cobro demais. Eu não estou satisfeito com a minha função na empresa. Enquanto eu sei que me reconhecem e sabem de minhas capacidades mas não podem ajustar meu salário imediatamente, eu sei também que tem lugar onde eu possa trabalhar ganhando muito mais. É um dilema… pedir pra sair e buscar novas oportunidades, ou ser paciente e esperar alguma oportunidade surgir. A empresa vai trocar o sistema daqui 2 meses, então acho que vou tentar segurar essa agitação. Vou aprender bastante com a instalação dos novos processos, e até lá caso não dê nada certo, eu terei alguns contatos da pós que provavelmente poderão me ajudar a conseguir um emprego melhor.

 

Sabe… não estou mal MAL. Só estou com essas coisas passando pela cabeça e preocupado com meu comportamento.

segunda-feira, 2 de março de 2015

Perguntas

Fico pensando qual será a sensação de entrar no carro e ver aquela blusa cuidadosamente esquecida, propositalmente ou não, no banco do passageiro. Pegá-la e sentir a delicadeza que é proporcional ao corpo que a vestia numa tarde descontraída.
Fico pensando qual será a sensação de estar deitado distraído em devaneios profundos, e voltar à realidade dando de cara com os olhos e sorriso que você pode jurar que são os mais bonitos que já viu.
A propósito, acabei de pensar, qual será a sensação de acordar com um cafuné?
Como será que é viajar com a companhia que eu irei desejar em todas as próximas viagens?
Como será que é se declarar, e ouvir algo recíproco ao invés de um “você merece coisa melhor” ?
Tenho medo de um dia ser mais um daqueles que pararam de se perguntar, e preferiram se enganar.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Tentando voltar, falando de planos, e costumes voltando.

Uma vez citei que eu acreditava que quanto mais tempo eu tinha para escrever, menos o fazia. Mas nos ultimos tempos deu pra perceber que isso não é lá muito certo. Os meses que estive no Canadá eu tinha tempo, um pouco, mas não tinha paciência de escrever tudo depois de dias tão longos. Aí voltei para o Brasil, não estava trabalhando e escrevi bastante. Agora comecei a trabalhar e dei uma reduzida novamente. E eu tenho tempo! Mas sempre estou cansado. Até pra ler eu relaxei :/

Não tenho lá muito o que escrever… Na verdade até tenho, mas não sei como chegar até os assuntos sem ser em um post específico para eles.

Lá na empresa as coisas estão indo bem. Como eu disse, eu fui “promovido” e assumi um setor lá, mas meu chefe tem outros planos pra mim. Ele quer que eu aprenda o trabalho das outras pessoas também, para criar uma função nova que eu irei exercer quando aprender tudo. Tanto que esses dias já comecei a ensinar a um outro rapaz tudo o que eu aprendi um mês atrás. Ele vai ficar nesse setor e depois que ele estiver dominando e tocando tudo sozinho eu irei aprender outras coisas.
Nesses dias me dei conta que gosto de ensinar. Principalmente se é algo muito fácil pra mim e útil para muitas pessoas. Na empresa mesmo, andei ensinando alguns cálculos e lógicas matemáticas, e muito de excel básico. As pessoas me falaram que eu ensino muito bem, e que nunca conseguiam aprender essas coisas. E isso é uma coisa que me deixa muito feliz.


Mês que vem começa a minha pós-graduação se tudo correr conforme o planejado.
Sabe… É um acontecimento de grande importância para mim. E mais uma vez, é um objetivo que eu não sinto que as pessoas acreditem tanto que consiga dar conta. Igual o meu intercâmbio. Parece que ninguém – como costumam falar – “bota fé” em mim. É chato pra caramba. A minha irmã sim me escuta e praticamente conversa comigo sobre esses planos como se eu já tivesse conseguido. Mas eu não sinto isso com outras pessoas. Parece que me escutam com dúvida se devem me dar atenção ou não. Se realmente estou falando sério. Se eu me importasse com isso eu não teria tomado muitas atitudes nessa vida. As pessoas gostam de me dizer “isso, você vai conseguir, você é inteligente”, mas eu não sinto o apoio moral que eu sinto com a minha irmã ou com um amigo, que se empolgam junto comigo e alimentam meus planos. Entende o que eu digo? A diferença de alguém que só está me ouvindo para alguém que realmente se importa com essas coisas é gritante.
Achei que depois do intercâmbio iam passar a dar mais créditos para os meus planos futuros.
Então aos poucos eu vou evitando de compartilhar certas coisas.

Tenho grandes expectativas entre aprendizados, metas e conquistas para esse ano.

------------------------------------------------------------------------

A pouco tempo atrás, fui surpreendido com um acontecimento que eu esperei por muito tempo. Faz parte de um segredo particular, que mexeu muito comigo. Por enquanto é algo só meu. Não compartilho com ninguém, mas comento aqui por ser um registro pessoal que eu quero reler um dia.

------------------------------------------------------------------------

Agora que minha mãe está em Itapeva, tenho ido pra lá com mais frequência. Cerca de duas vezes por mês. Eu achava que não ia aguentar, mas tem sido muito bom. Porém com meus estudos vindo pela frente, essa frequência provavelmente irá reduzir. Posso até ir para poder ficar com a minha mãe, mas irei mais para relaxar e estudar. Digo isso pois todas as vezes que fui, virei a noite de sábado para domingo no bar do meu tio. Acho que isso pode mudar agora, já que não tem mais toda aquela turma de férias sem o que fazer. A partir de agora só as pessoas que realmente moram em Itapeva que têm frequentado o bar. E isso impacta pra mim, já que não conheço tanta gente. O meu primo fica lá, mas fica trabalhando.~

Tenho planos para eleger um ou mais lugares para me isolar. Pode ser estranho, mas gosto da ideia de sair de Jundiai, alugar um quarto em um hostel em São Paulo, e passar o final de semana lá relaxando e isolado da rotina. Quero aquela sensação de viagem que tenho sentido tanta falta.
Um dos lugares que quero conhecer esse ano, é Santos. Quero ir pra lá, relaxar, olhar o mar, e andar de bicicleta. “Ahh PH, para de inventar coisa, você pode fazer isso tudo onde mora e sem ter que gastar nada”. Não é a mesma coisa, OK? Não é.

------------------------------------------------------------------------

Andei reparando que estou voltando a ter um certo interesse por carros que eu já tive um dia. Não sei porquê, mas às vezes me pego passando horas olhando carros na internet.
Quando eu era mais novo, por volta dos meus 14 anos, eu era meio doente por carros. Gostava muito! Esse gosto foi se perdendo, e agora está voltando.

------------------------------------------------------------------------

Acho que no mais é isso.

Obrigado

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Estou salvo

Olha, provavelmente irei tirar o post anterior. Tive vergonha de ler ele, e saber que foi eu mesmo que escrevi. Pra quem não leu, não perdeu nada. Foi um momento de baixa autoestima eu acredito, apesar de eu citar que estava bem nesse quesito.
É uma postagem que mostra um PH que nem eu sei de onde saiu.

Pensando bem, sei sim. Inclusive já disse isso aqui sobre a vontade de querer “chutar o balde” e sair sendo um cara que eu não sou e não aprovo ser. A última vez que aconteceu isso, eu tinha 15 anos rs.

Então, depois de ler e ficar assustado com as coisas que eu disse, eu fui reparar no título “Sobre salvar um PH que está desistindo”. E sim, eu estou salvo! Engraçado, que eu não faço ideia de como escrevi um absurdo daqueles, e o título parecia um pedido de socorro do pouco que ainda restava do meu juízo.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Primeira postagem do ano

Postagem POSTAGEM, essa será a primeira. Nem eu mesmo acredito que deixei uma imagem para o primeiro post do ano! O que está acontecendo comigo?

Bom, o ano começou MUITO bem! Mas muito mesmo! Aconteceu algo que eu jamais esperava que fosse acontecer tão cedo. Consegue imaginar?
Bem, eu acho que nem cheguei a comentar aqui sobre as minhas próximas metas, jsutamente por não ter nada definido em mente. Porém, uma delas, a principal, seria ser promovido nessa empresa atual até o final desse ano. E quando eu entrei lá, eu meio que calculei o tempo necessário. Todo mundo, só pode tentar concorrer aos processos de seleção interna da empresa, após 6 meses de registro, ou em alguma situação em que alguém repentinamente sai de algum posto, e a gestão acaba tendo que eleger alguém ou chamar reforço de alguma unidade da empresa para cobrir o “buraco”.
Dia 07 de janeiro, fez um mês e meio que estou trabalhando. Durante a tarde daquele dia, meu chefe manda alguém me chamar lá dentro do estoque. Achei estranho ele ter alguma pendência comigo, porém estava tendo auditoria da qualidade naquele dia, então poderia ser para eu participar do questionário dos auditores. Mas não. Ele simplesmente estava ao lado de uma moça do administrativo, confirmou se eu sabia utilizar o excel e fazer aquele tipo de trabalho como eu já havia dito que sabia fazer, e simplesmente me disse para sentar ali do lado dela e começar a aprender o trabalho dela para poder substituí-la futuramente. Fiquei sem reação. Não entendi direito a situação, mas aceitei ajudar sim. Começou um ruído entre os outros funcionários que me viam lá dentro aprendendo o trabalho dela, e de repente eu me tornei a pessoa mais odiada do dia. Porque está cheio de gente que trabalha lá a anos e estava esperando uma oportunidade de conseguir a vaga. Obviamente ninguém acredita que foi por reconhecimento, e acham que tenho algum esquema com a gestão.
Eu não me importo. Fiquei o resto da semana com um pé atrás ainda quanto a acreditar na situação ou não. E essa semana está se passando e ainda continuo a aprender o trabalho dela. Acho que realmente me livrei do inventário!!! Agora tomara que quando eu passar a experiência, eles me registrem com o novo cargo :D
Isso me fez refletir muito na historinha que citei dos 3 barcos que Deus enviou.

Pois é… parece que minha principal meta para o ano já se cumpriu.

Agora tenho planos para começar a minha pós-graduação, voltar a estudar inglês e começar a aprender a tocar violão. Estou considerando também aulas de francês, mas só pensando por enquanto.

 

 

Obrigado ^^

domingo, 4 de janeiro de 2015

Britt-Robertson-The-First-Time
(Filme: The First Time)