segunda-feira, 30 de março de 2015

melhoras

Já dei uma mudada, pra melhor.
As minhas aulas começaram dia 25, e a faculdade é realmente tudo o que eu esperava. Está até superando as minhas expectativas. Lá é aquele tipo de curso, que você paga um valor caro, mas tem TANTA coisa para usufruir, mas TANTA coisa! Eles tem um mundo de informações à disposição! É incrível! Não tem como reclamar que não achou determinado assunto no google, porque na biblioteca deles com certeza tem. A FGV está de parabéns mesmo! Sei que estou em ótimas mãos.

Estive refletindo muito esses dias a respeito disso. Estou muito ansioso por tudo o que pode vir a acontecer em minha vida profissional daqui pra frente. A maioria dos profissionais que estão lecionando lá, são formados em algum curso de lá. E são extremamente novos para o nível em que chegaram em suas carreiras.

Mas deixando as expectativas de lado, isso me faz lembrar da minha dedicação para outras coisas.
Minha rotina se resume a acordar 4:30, pegar 3 ônibus, trabalhar das 7 às 17, chegar morto em casa 6:20, e não ter mais ânimo pra nada. É estressante demais… e o pior, é que eu ainda vou dormir tarde. Peguei o gosto pela tv novamente… estou assistindo todo dia depois do trabalho. Acho que porque é uma forma de entretenimento que une distração e informação. É prático para meu cérebro. Estou sem saco pra ler. Sem saco pra computador, que a propósito, nas ultimas semanas só sentei na escrivaninha durante uns 30 minutos por dia. Sem saco pra celular e redes sociais. Estou meio estranho… Não sei se é coisa do cansaço ou se realmente enjoei dessas coisas. Gosto de conversar pela internet, e é a única utilidade que venho explorando do computador, e demais dispositivos.

Agora que terei uma visão melhor do que será o paradeiro da minha renda, vou estudar uma forma de continuar a fazer inglês. Tenho sentido muita falta de por em prática o que eu sei.
Fora que eu ainda gostaria de começar a aprender francês logo.
E por aí vai uma cadeia de planejamentos que tenho, como aprender francês, fazer MBA, fazer 1 mês da pós no exterior para conseguir dupla certificação, investir em um terreno, ir trabalhar no Canadá um tempo, voltar pro Brasil, etc…
Falando nisso, até lembrei que quero registrar aqui sobre minha futura casa. Deixarei isso para outra hora.

Obrigado pela paciência.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Sensação sem definição

Não tenho uma palavra para descrever o que venho sentindo ultimamente.
Há algo estranho comigo. Não sei se ainda está acontecendo, ou se já fui afetado definitivamente.
Tenho sentido falta de ânimo nos meus dias. Começou de fato na separação dos meus pais lá em agosto de 2013.
O que novamente foi uma época que me fez sofrer muitos choques de altos e baixos no psicológico. De um lado eu tive o apoio dos meus pais para eu poder realizar o meu sonho de ir para o Canada, e do outro lado a separação deles. Dali pra frente, eu comecei a sentir essa coisa estranha.
Eu venho sentindo falta do ânimo que eu esperava ter em alguns momentos. Me refiro àquele ânimo de quando eu era apenas um garoto de 16 anos imaginando a si mesmo quando realizasse o grande sonho.
Agora, sinto como se estivesse apenas cumprindo objetivos. Sinto muita frieza dentro de mim.

Nessa segunda-feira, 09 de março de 2015, eu passei a ser efetivamente aluno de pós-graduação da Fundação Getúlio Vargas.

Não posso dizer que me tornei frio ao me deparar comigo mesmo me emocionando ao escrever essa postagem. Há algo dentro de mim.

E como eu disse… aconteceu. Estou matriculado. A matrícula em alguma pós poderia ser fácil, mas nessa instituição de ensino foi algo muito importante pra mim. Quando eu era mais novo, era algo que eu imaginava que só alcançaria mais velho. E não. Aqui estou eu, ganhando um salário muito inferior ao que eu imaginava que estaria ganhando, porém vivenciando o que gosto, e podendo investir em mim dessa forma. Graças a Deus. Eu realmente me surpreendo cada vez mais com o que Deus me proporciona sendo um filho tão mal dedicado. Se bem que não sei se sou mal dedicado, ou se me cobro demais. Não gosto do ambiente da igreja como um todo, por causa das pessoas que estão lá, então faz tempo que não vou a uma. Mas levo comigo os aprendizados de comportamento da palavra Dele. Creio que seja isso.
Ele possibilitou que todos nós em casa tenhamos um emprego bom. E graças a isso, e ao meu pai, eu não tenho despesas fixas com moradia.
Não tenho vergonha disso. Gosto de dizer que eu amo a minha família a ponto de não me incomodar de viver junto, e que obviamente sou amado a ponto de meu pai não exigir que eu mude.

Como eu estava dizendo, acho que me cobro demais. Eu não estou satisfeito com a minha função na empresa. Enquanto eu sei que me reconhecem e sabem de minhas capacidades mas não podem ajustar meu salário imediatamente, eu sei também que tem lugar onde eu possa trabalhar ganhando muito mais. É um dilema… pedir pra sair e buscar novas oportunidades, ou ser paciente e esperar alguma oportunidade surgir. A empresa vai trocar o sistema daqui 2 meses, então acho que vou tentar segurar essa agitação. Vou aprender bastante com a instalação dos novos processos, e até lá caso não dê nada certo, eu terei alguns contatos da pós que provavelmente poderão me ajudar a conseguir um emprego melhor.

 

Sabe… não estou mal MAL. Só estou com essas coisas passando pela cabeça e preocupado com meu comportamento.

segunda-feira, 2 de março de 2015

Perguntas

Fico pensando qual será a sensação de entrar no carro e ver aquela blusa cuidadosamente esquecida, propositalmente ou não, no banco do passageiro. Pegá-la e sentir a delicadeza que é proporcional ao corpo que a vestia numa tarde descontraída.
Fico pensando qual será a sensação de estar deitado distraído em devaneios profundos, e voltar à realidade dando de cara com os olhos e sorriso que você pode jurar que são os mais bonitos que já viu.
A propósito, acabei de pensar, qual será a sensação de acordar com um cafuné?
Como será que é viajar com a companhia que eu irei desejar em todas as próximas viagens?
Como será que é se declarar, e ouvir algo recíproco ao invés de um “você merece coisa melhor” ?
Tenho medo de um dia ser mais um daqueles que pararam de se perguntar, e preferiram se enganar.