segunda-feira, 22 de maio de 2017

There is a second heart in my mind

What if I tell you that I’m sick of being always looking for someone when in fact I know that my deepest feelings belongs to you?
And instead of proclaim them more once to you, I’m afraid of which words I’ll hear from your mouth. I catch me wondering about what would happen if the things were different. Would you be still my secret or I wouldn’t have secrets for you?
What If you ever hadn’t ask me to move on and try to forget you? Would I have tried once more? Cause after all this time, I’ve lied to my heart about you and every time I see you he says there is something hurting him. I’m afraid of this… me writting about feelings and at the same time you feeling something reciprocal, but in the same doubdt. And we will keep moving our lives as if had nothing between us, always finding the wrong person, hurting our hearts and looking for each other to hear warm words. I’m not sure about what I whould do if someone hurt you, knowing that I whould never do the same, and that your tears could be my fault just because I never told you that I’m still in love with you.

sábado, 6 de maio de 2017

Expectativas e felicidade

"Pare de cumprir as expectativas dos outros, porque essa é a maneira de você cometer suicídio. Você não está aqui para satisfazer as expectativas de ninguém e ninguém está aqui para satisfazer suas expectativas.

Nunca torne-se uma vítima das expectativas dos outros e não faça qualquer um vítima das suas expectativas.

Isto é o que eu chamo de individualidade.

Respeite sua própria individualidade e respeite a individualidade dos outros. Nunca interfira na vida de ninguém e não permita que ninguém interfira na sua vida.

Só então um dia você vai crescer em espiritualidade.

Caso contrário, noventa e nove por cento das pessoas simplesmente cometem suicídio. Toda a sua vida nada mais é que um suicídio lento. Cumprindo essa expectativa, aquela expectativa... um dia era o pai, outro dia era a mãe, um dia era a esposa, marido, em seguida vêm as crianças – elas também tem expectativas. Então a sociedade, o padre, o político. Todo mundo tem expectativas. E pobre de você, apenas um pobre ser humano – e o mundo inteiro esperando por você para fazer isso e aquilo. E você não pode satisfazer todas as expectativas, porque elas são contraditórias.

Você tem tentado loucamente cumprir as expectativas de todos e você não satisfez ninguém. Ninguém está feliz. Você está perdido e ninguém está feliz.
As pessoas que não estão felizes com elas mesmas, não podem ser felizes.

Tudo o que você fizer, elas vão encontrar maneiras de estar infeliz com você, porque elas não podem ser felizes.

A felicidade é uma arte que tem que ser aprendida.

Não tem nada a ver com o seu fazer ou não fazer.
Em vez de agradar, aprenda a arte da felicidade."

- Osho

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Que fase!

2016 foi de fato o pior e melhor ano da minha vida. Metade melhor ano, e metade pior ano.

Dezembro foi um mês bem balanceado. Eu sofri um choque financeiro, diante das contas que aumentaram e a “renda” ter diminuído. Digo “renda” por conta de uma ajuda de custo que eu e aminha irmã tínhamos com moradia, e simplesmente DO NADA não tivemos mais. Plau, cabô, tchau, não vai ter, “como vocês vão fazer?”.
Foi bem difícil engolir a ideia, porque não estávamos preparados, nem um pouco. Tínhamos contas que entramos devido à “renda”, e agora o salário não dava mais conta de nada. Pagando tudo, ficava R$110,00 negativos, sem gastar com mercado e outras coisas. Comecei a cortar tudo. Saí da academia, reduzi a alimentação, parei de usar o carro, e parei de sair de casa pra comer fora ou comprar uma marmita que eu gostava de comprar pelo menos 1 vez por final de semana. Minha irmã saiu do curso dela, e cortou outros gastos pessoais dela. Coloquei umas coisas pra vender, vendi meu PS3 e meus jogos a preço de banana, vendi um home theater, e estava prestes a vender um relógio. As últimas opções seriam o meu óculos, outros relógios e por fim, o carro. A coisa foi feia porque veio o ipva do carro. O carro seria a maior dor no coração, pelo fato do quanto de dinheiro que iríamos perder, e ainda ficar sem carro. Primeiro que ele foi uma baita conquista, um carro que eu tanto gosto sendo o meu primeiro carro. E ainda por cima uma compra conjunta com a minha irmã. Mas seria necessário.

Porém apesar de toda essa coisa financeira, algumas coisas boas encobriam esse buraco nos ânimos. A Letícia e o namorado dela foram embora no meio do mês, e eu e minha irmã conseguimos ir para Itapeva com a ajuda da minha mãe e nosso padrasto. Sentir a família foi uma coisa que me ajudou muito. Tanto que com todos os gastos, eu apertei o botão do foda-se e fui no ano novo de novo por minha conta. Não deu para a minha irmã ir, mas foi muito bom.

Janeiro foi um mês sem estresse em casa, e tempo de planejar o que fazer com os problemas. Estou oficialmente a 6 finais de semana sem sair de casa, vivendo à base de pão de manhã, meu almoço oficial de macarrão Qualitá com molho de tomate Heinz (sai por menos de R$5,00 , rende duas refeições, e eu faço questão dessas marcas sim), e pão de noite. Às vezes a nossa amiga Dora faz umas comidas diferentes também. E mesmo almoçando muito bem na empresa, eu já perdi 4 kg depois que saí da academia :(

As coisas estão se ajeitando, graças a Deus. Acredito que em março ou abril a gente já melhore um pouco mais. E em agosto acabam as parcelas do financiamento da minha pós. Porém, infelizmente eu perdi muitas matérias, e terei que cursar elas pagando-as individualmente e uma fortuna cada. Pelo menos dá pra parcelar elas em 3 vezes.

Vou deixar pra abordar outros temas em outra postagem. No momento ainda estou usando o pc da minha irmã.

 

Valeeu