segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Que fase!

2016 foi de fato o pior e melhor ano da minha vida. Metade melhor ano, e metade pior ano.

Dezembro foi um mês bem balanceado. Eu sofri um choque financeiro, diante das contas que aumentaram e a “renda” ter diminuído. Digo “renda” por conta de uma ajuda de custo que eu e aminha irmã tínhamos com moradia, e simplesmente DO NADA não tivemos mais. Plau, cabô, tchau, não vai ter, “como vocês vão fazer?”.
Foi bem difícil engolir a ideia, porque não estávamos preparados, nem um pouco. Tínhamos contas que entramos devido à “renda”, e agora o salário não dava mais conta de nada. Pagando tudo, ficava R$110,00 negativos, sem gastar com mercado e outras coisas. Comecei a cortar tudo. Saí da academia, reduzi a alimentação, parei de usar o carro, e parei de sair de casa pra comer fora ou comprar uma marmita que eu gostava de comprar pelo menos 1 vez por final de semana. Minha irmã saiu do curso dela, e cortou outros gastos pessoais dela. Coloquei umas coisas pra vender, vendi meu PS3 e meus jogos a preço de banana, vendi um home theater, e estava prestes a vender um relógio. As últimas opções seriam o meu óculos, outros relógios e por fim, o carro. A coisa foi feia porque veio o ipva do carro. O carro seria a maior dor no coração, pelo fato do quanto de dinheiro que iríamos perder, e ainda ficar sem carro. Primeiro que ele foi uma baita conquista, um carro que eu tanto gosto sendo o meu primeiro carro. E ainda por cima uma compra conjunta com a minha irmã. Mas seria necessário.

Porém apesar de toda essa coisa financeira, algumas coisas boas encobriam esse buraco nos ânimos. A Letícia e o namorado dela foram embora no meio do mês, e eu e minha irmã conseguimos ir para Itapeva com a ajuda da minha mãe e nosso padrasto. Sentir a família foi uma coisa que me ajudou muito. Tanto que com todos os gastos, eu apertei o botão do foda-se e fui no ano novo de novo por minha conta. Não deu para a minha irmã ir, mas foi muito bom.

Janeiro foi um mês sem estresse em casa, e tempo de planejar o que fazer com os problemas. Estou oficialmente a 6 finais de semana sem sair de casa, vivendo à base de pão de manhã, meu almoço oficial de macarrão Qualitá com molho de tomate Heinz (sai por menos de R$5,00 , rende duas refeições, e eu faço questão dessas marcas sim), e pão de noite. Às vezes a nossa amiga Dora faz umas comidas diferentes também. E mesmo almoçando muito bem na empresa, eu já perdi 4 kg depois que saí da academia :(

As coisas estão se ajeitando, graças a Deus. Acredito que em março ou abril a gente já melhore um pouco mais. E em agosto acabam as parcelas do financiamento da minha pós. Porém, infelizmente eu perdi muitas matérias, e terei que cursar elas pagando-as individualmente e uma fortuna cada. Pelo menos dá pra parcelar elas em 3 vezes.

Vou deixar pra abordar outros temas em outra postagem. No momento ainda estou usando o pc da minha irmã.

 

Valeeu